IMPLANTE CAPILAR

Informações sobre o implante capilar, recomendações sobre o procedimento, recuperação, pós operatorio, riscos, complicações, e tudo sobre a cirurgia. Nota inicial: a consulta deste artigo não dispensa a consulta com um profissional de saúde.

A perda de cabelo continua a ser uma grande dor de cabeça para milhões de pessoas em todo o mundo, sejam homens ou mulheres. Esta perda anormal deve-se a vários factores como, alterações hormonais, envelhecimento, historial da família e traumas (ex: queimaduras). Normalmente, quanto mais cedo começar a perda de cabelo, mais grave se torna a situação. Os implantes capilares ou transplantes de cabelo são uma boa opção como tratamento reconstrutivo da calvíce. O processo da cirurgia funciona pelo retiro de partes do escalpe que são resistentes à queda e transferência para as zonas afectadas. As zonas mais resistentes encontram-se nos lados e na parte de trás da cabeça. Estas áreas que sofrerão o transplante, verão o cabelo crescer normalmente, uma vez que são muito mais resistentes genéticamente à calvíce.

De uma forma geral, podem distinguir-se três tipos de implantes capilares:

Transplante folicular unitário

Neste procedimento, uma faixa de cabelo da região dadora é retirada e implantada na zona com poucos ou nenhuns cabelos. São utilizadas suturas para fechar a área dadora, e esta leva vários dias a cicatrizar. Este procedimento é melhor para casos de calvíce média a extrema, uma vez que permite que vários enxertos sejam transplantados numa única sessão.

Extracção folicular unitária

Este procedimento é mais recente e mais popular do que o primeiro. O que acontece neste é que os fios de cabelo são transplantados na parte de trás e nas laterais da cabeça em grupos de um até quatro, uma vez que esta é a forma como o cabelo cresce naturalmente. Justamente porque “imita” a forma como o cabelo humano cresce na realidade, este procedimento fornece resultados que parecem mais naturais. Outra vantagem que este procedimento tem sobre o anterior é que não envolve cortes grandes e profundos, e assim, o tempo de recuperação é mais curto e surgem muito menos cicatrizes.

Redução do Escalpe

Este tipo de técnica é executado muito poucas vezes. A área calva é removida cirurgicamente e o couro cabeludo que tem mais cabelo é esticado a fim de substituir o que foi removido. Este método é muito caro e também pode levar ao aumento da possibilidade do aperto do couro cabeludo, o que levaria à sua diluição.

Se está a pensar em fazer este procedimento, deve primeiro entender que a cobertura do couro cabeludo que tinha antes da queda de cabelo nunca mais estará de volta. O que este procedimento cirúrgico pode proporcionar é fazer com que o seu couro cabeludo fique um pouco mais preenchido e cubra um pouco as áreas de desbaste. Além disso, é importante entender que, como todas as outras formas de cirurgia, o implante ou transplante de cabelo traz alguns riscos e complicações para a saúde.

Indicações do implante capilar

É importante notar que, no que respeita a implantes, cada caso é um caso. As características do cabelo são cruciais na avaliação do candidato: a densidade da zona dadora vai determinar o número de enxertos disponíveis para transplante; o número médio de folículos determina o número de cabelos disponível; a cor do cabelo e o contraste com a pele vão determinar a densidade; o diâmetro do cabelo e a sua estrutura (liso, encaracolado, etc) também vão influencias o resultado final.

Idade

No que respeita à idade ideal dos candidatos, esta não é um factor decisivo, uma vez que a calvíce de um homem de 25 anos pode ser mais grave que a de um de 60, ou vice-versa. Isto significa que o que deve ser avaliado é o progresso da calvíce, e não a idade do paciente. Contudo, os pacientes mais jovens exigem maiores cuidados médicos.

COMENTE: